Seis por metade de meia duzia...

"aquilo que se faz por amor está além do bem ou do mal". - Nietzsche

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Brasil é 3º pior em ranking de educação, aponta Economist

 
Educação no Brasil: segundo estudo, há dúvidas de que o país possa sustentar taxas de crescimento econômico no longo prazo
São Paulo – Em dois anos, o Brasil subiu apenas uma posição no ranking educacional encomendado pela empresa Pearson à Economist Intelligence Unit, braço de pesquisas do grupo Economist. Entre 40 nações avaliadas, o país aparece na 38ª posição.
De acordo com o estudo internacional The Learning Curve 2014 (A Curva de Aprendizado 2014), mesmo com a escalada de uma posição no ranking, o Brasil está entre os que registraram queda no índice de desempenho escolar e habilidades cognitivas.
As seis nações com a maior variação negativa em relação à média global foram: Tailândia, Colômbia, Argentina, Brasil, México e Indonésia.
 
Do lado oposto, no topo do ranking, estão Coreia do Sul, Japão, Cingapura e Hong Kong. O estudo destaca a “cultura de responsabilidade” desses países como fator fundamental para o bom resultado, uma vez que “a sociedade valoriza os professores e as escolas muito mais do que em outras partes do mundo”.
Primeira colocada no ranking anterior, realizado em 2012, a Finlândia caiu para o 5º lugar, principalmente devido a uma diminuição registrada dos conhecimentos em Matemática e Ciência.
Segundo a Pearson, as baixas pontuações no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), coloca em dúvida se países em desenvolvimento como Brasil, México e Indonésia podem sustentar taxas de crescimento econômico no longo prazo.
Estimativas da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) indicam que, na última década, metade do crescimento econômico nos países desenvolvidos foi devido a habilidades em educação melhoradas.

Nenhum comentário:

Faça seu pedido de amizade no FACEBOOK...

Click na imagem...