Seis por metade de meia duzia...

"aquilo que se faz por amor está além do bem ou do mal". - Nietzsche

quinta-feira, 5 de junho de 2014

MPMA recomenda que Sejap adquira tornozeleiras ou pulseiras eletrônicas para presos

mini mini mini mini mini mini mini mini mini PJ Imperatriz reduz
Fachada das Promotorias de
Justiça de Imperatriz
O Ministério Público do Maranhão, em 23 de maio, expediu Recomendação à Secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária para a aquisição de 300 tornozeleiras ou pulseiras eletrônicas para monitorar presos que cumpram pena em regime aberto e semiaberto, além daqueles beneficiados com saída temporária, livramento condicional e presos provisórios sujeitos a medida cautelar.

A Recomendação foi elaborada pela 5ª Promotoria de Justiça Criminal de Imperatriz, que solicitou à Sejap informações sobre o assunto no prazo de 30 dias.
 
No documento, o MPMA sugere que, além da aquisição das pulseiras ou tornozeleiras, seja feita a implementação da central de monitoramento para efetivar a vigilância com dispositivo eletrônico por satélite, via sinalizador por tecnologia GPS (Global Position System), revelando a exata movimentação do monitorado. O promotor também recomenda que a Sejap assine um Termo de Ajustamento de Conduta para a implantação do sistema em Imperatriz.
 
Segundo o promotor Domingos Eduardo, titular da 5ª Promotoria de Justiça Criminal de Imperatriz, a Recomendação foi motivada pela atual situação de carência de vagas no sistema carcerário da Comarca de Imperatriz, superlotação de celas, interdição de prisões, cadeias e penitenciárias, além da grave violação dos direitos dos presos. Ele estima que, com esta tecnologia, 30% dos presos provisórios e definitivos poderão ser beneficiados com o uso da monitoração eletrônica.
 
A Recomendação segue a orientação da Lei 12.258/2010, que prevê a possibilidade de utilização do sistema de monitoração eletrônica de presos em prisão domiciliar ou saída temporária da prisão em regime semiaberto, e do artigo 122 da Lei de Execução Penal, que dispõe sobre o uso do mecanismo pelo condenado nas saídas temporárias, quando assim determinar o juiz de execução.
 
O promotor diz que o sistema eletrônico de monitoramento traz grandes vantagens econômicas para a realização de vigilância indireta, se comparado às despesas de alojamento do indiciado ou manutenção do condenado para o sistema carcerário, o que possibilita a diminuição dos gastos públicos, além de outros benefícios.
 
"O aspecto ressocializador da medida propicia o convívio familiar e possibilita condições dignas de ressocialização pelo sistema tecnológico empregado para realização de vigilância, aumentando e dando efetividade ao controle de movimentação dos detentos que saem do presídio e assegurando a fiscalização quanto ao cumprimento das medidas impostas ao preso pelo juiz."
Redação: Iane Carolina (CCOM-MPMA)

Nenhum comentário:

Faça seu pedido de amizade no FACEBOOK...

Click na imagem...